Projeto pioneiro realizará atendimento médico on-line nas penitenciárias fluminenses

A iniciativa é uma parceria da Seap, por meio da Superintendente Nice Carvalho, da enfermeira Julia Piffer e do 'Amor que Cura'

Imagem: Nice Carvalho

Imagem: Nice Carvalho

Uma parceria entre a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), por meio da Superintendente de Gestão em Saúde, Nice Carvalho, a enfermeira Julia Piffer e o Projeto Amor que Cura, do Frei Paulo Batista, vai viabilizar a realização de atendimentos médicos, via plataforma Conexa para os privados de liberdade do sistema prisional do estado do Rio de Janeiro.

De acordo com os organizadores da iniciativa, o programa piloto também abrangerá todo o país e possui o objetivo de atender aos internos via tele-saúde. Inicialmente, o Instituto Penal Cândido Mendes, no Centro do Rio, foi a primeira unidade a ser assistida. Os idosos do Instituto foram atendidos através do programa on-line Conexa Saúde.

Imagem: Nice Carvalho

Vale destacar que plataforma é gerenciada pelo Projeto Amor que Cura. Nela, o atendimento é feito por profissionais voluntários. Além disso, o serviço será executado nos ambulatórios das unidades prisionais, na presença de um profissional de saúde e de um policial penal.

Ao portal Grande Tijuca, Nice Carvalho falou sobre a iniciativa e do processo de criação do programa.

"Foram meses de muito estudo e planejamento para que cada passo desse novo projeto fosse dado com muita estruturação e segurança. Quando me foi dado o papel de ser superintende de saúde penitenciária, eu disse sim. Aceitei o desafio com o objetivo de trazer mudanças e uma vida mais digna para todos", comentou a enfermeira.

Ela também contou um pouco sobre a realidade do sistema prisional e do trabalho que tem desenvolvido no Estado.

"Nós, meros mortais livres, não conhecemos de perto essa realidade dura de pessoas que estão ali pagando pelo que realizaram. Já pararam para pensar que o presídio também é uma grande escola para avaliação de erros pessoais? Ali, também temos seres humanos que estão pagando por atos e profundamente torcemos e acreditamos que não sejam repetidos. É um trabalho duro ter a responsabilidade de tocar a saúde de milhões pessoas vindas de todo o Brasil", explicou Nice.

Imagem: Nice Carvalho

A Superintende ainda relembrou que essa é a primeira plataforma de telemedicina penitenciária no Brasil. Nice Carvalho ressaltou que o objetivo foi trazer dignidade, gratidão e empatia aos internos.

"O que queremos? Que esses cidadões, que estão pagando por seus atos, possam ter o que foi prometido e que todo esse processo também seja valorizado na análise pessoal de cada um. Torço pelo crescimento e amadurecimento de todos, incluindo aqueles que por alguma forma tiveram erros irreparáveis, precisamos de empatia e força para lutarmos juntos na transformação de todos os indivíduos. Usei a minha oportunidade no setor penitenciário para trazer dignidade aos cidadões, mas acredito que esse seja apenas o começo. Nós queremos mais, muito mais. A área da saúde como um todo precisa e merece atenção especial", concluiu.

É importante destacar que uma equipe da Superintendência de saúde da Seap selecionará, previamente, os internos que necessitam de atendimento médico, bem como realizará o agendamento online da consulta. Os receituários e as medicações prescritas ficarão disponíveis na sede do Projeto, na Tijuca. Posteriormente, o material será sseparado e entregue aos detentos.

A Seap informou que, diante da pandemia do covid-19, o projeto aumentará a cobertura dos atendimentos, antes realizados através de mutirões de saúde presenciais nas unidades prisionais. No momento, os profissionais de saúde do órgão estão atuando com uma equipe itinerante, onde realizam visita aos presídios, conforme as notificações de casos de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave.