Obra em Atacadista tira o sono dos moradores da Tijuca

Empreiteira estaria realizando obra fora do horário permitido

Foto: Rafael Alcantara

Foto: Rafael Alcantara

Moradores da Tijuca estão incomodados com o barulho de uma obra que vem ocorrendo durante a madrugada de construção de um novo atacadista. Segundo moradores, os operários da obra estão utilizando máquinas pesadas e construindo o novo espaço, 24 horas por dia, no terreno entre as ruas Mariz e Barros e Heitor Beltrão.

"Todo dia isso. O Assaí da Mariz e Barros tem feito uma grande barulheira à noite. Hoje, começaram por volta das 00:30h. Se continuarem assim, pretendo tomar as medidas judiciais cabíveis", disse um morador.

No terreno onde está sendo construído o novo empreendimento, funcionava o antigo supermercado Extra Tijuca, desativado no dia 31 de agosto do ano passado, para virar uma unidade do Assaí Atacadista. No início desse ano, a empreiteira responsável pela construção demoliu a antiga sede para dar lugar a um novo modelo, que se caracteriza por corredores amplos, pé direito alto e câmaras frigoríficas grandes, que facilitam o descarregamento do produto e amplo estacionamento. A obra estava prevista para ser entregue nesse fim de ano e, de acordo com moradores, esse seria o motivo da construção estar se estendendo durante a madrugada.

"Além desse absurdo, a casa dos meus pais está toda rosa, porque estão pintando os tubos de prevenção de incêndio de vermelho, e a tinta vai toda para casa deles. As paredes, os pisos, os ladrilhos e eletrodomésticos rosas. Já fomos lá reclamar, pedimos para falar com o engenheiro responsável, mas ninguém apareceu. Sem falar no mal que estão fazendo para saúde respiratória de dois idosos em meio a pandemia. Ambos vivem atacados de alergia. Falta de respeito total", relata outra moradora.

Nossa redação entrou em contato com a rede Assaí Atacadista do grupo Casino e com a Secretaria Municipal de Ordem Pública da Prefeitura do Rio para que se pronunciassem sobre a reclamação dos moradores no que diz respeito à realização da obra fora do horário permitido.

A Secretaria Municipal de Ordem Pública da Prefeitura do Rio e a rede Assaí Atacadista, até o fechamento dessa matéria, não se manifestaram sobre o caso.