Feirante agredido no Grajaú: 'temi morrer como George Floyd'

Morador do Andaraí, Fábio desmente que atirou pedras na Guarda Municipal e que foi 'esculachado' pelos agentes

Fabio teve lesões nas pernas após ação do SEOP/GM (Foto: Arquivo pessoal)

Fabio teve lesões nas pernas após ação do SEOP/GM (Foto: Arquivo pessoal)

As cenas de trucul√™ncia que ocorreram em uma feira no Graja√ļ e na pra√ßa Saens Pe√Īa, promovidas por agentes da Guarda Municipal, na tarde desta sexta (30), após a√ß√£o da Secretaria de Ordem P√ļblica, n√£o sair√£o da memória de muita gente. Em especial do feirante F√°bio Machado. Ele era o rapaz que, além de chutes, recebeu uma gravata dos guardas municipais (veja o v√≠deo abaixo). F√°bio Machado Alves, 30 anos, ao portal Grande Tijuca, disse que temeu ser v√≠tima como o americano George Floyd, negro e assassinado por um policial branco nos Estados Unidos. O morador do Andara√≠ afirmou que, apenas, reclamou da opera√ß√£o que estava sendo feita e negou ter atirado pedras, resposta dada pela assessoria de imprensa da SEOP.

"Todo mundo estava reclamando da operação que eles estavam fazendo. Mas, em momento nenhum, eu os xinguei, desacatei eles. Eu estava apenas reclamando como qualquer trabalhador que reclama e tem seu direito de trabalho. Vieram já na covardia, já me agredindo, me esculachando. Uma coisa desnecessária. Não havia necessidade disso, sou trabalhador. Eles alegaram que taquei pedra neles. Uma mentira", disse Fábio ao portal.

Ele sentiu medo de ser mais um negro morto por injustiça social. E lembrou George Floyd.

"Eu temi o pior. Um negro morre engravatado nos Estados Unidos, outro negro morre apanhando noutro lugar. Temi a minha morte. Fiquei preocupado com minha m√£e, que também estava no local, trabalha na feira. Ela sofre de press√£o alta. Eles estavam me machucando muito. E se eu fosse desmaiado dentro da van, o que eles poderiam fazer comigo? Vi a morte de perto", lamentou.

Fábio espera que a Justiça seja feita.

"Só quero que a Justi√ßa seja feita e que eles n√£o fa√ßam mais isso com ninguém. Tenho até medo com o que pode acontecer comigo daqui pra frente depois disso, pois sabemos como é a covardia do mundo. Se eu morresse seria mais um para estat√≠stica, seria uma morte em v√£o", finalizou.