Lobinhos de Grupo Escoteiro triplicam a meta de arrecadação de Páscoa

Com 450 caixas de bombons arrecadadas, farão crianças de duas comunidades carentes felizes

Lobinhos de Grupo Escoteiro triplicam a meta de arrecadação de Páscoa

Nada menos do que 450 caixas de bombons foram arrecadadas durante a Campanha de Boa Ação Coletiva de Páscoa realizada pela Alcateia do 76º Grupo Escoteiro Nossa Senhora Medianeira, da Tijuca. A ação, que durou três semanas, encerrou-se neste sábado em um drive-thru na Praça Xavier de Brito, umas das principais do bairro. A meta era conseguir 150 caixas para as crianças da Comunidade Indiana, vizinha à sede do grupo, que fica no Colégio Marista São José, na Usina. Mas, os 15 lobinhos (com idades entre 6,5 e 10 anos) se superaram e conseguiram triplicar o número inicial, podendo assim, beneficiar também crianças da comunidade do Morro dos Macacos, de Vila Isabel. Eles contaram ainda com a ajuda de outros jovens do grupo, pais e até moradores da Tijuca que passaram deixando sua colaboração em forma de chocolate.

A chefia esperava os pais com muita ansiedade, álcool spray, máscaras e distanciamento, mas os lobinhos acabaram aparecendo junto. Para a alegria deles, foram recebidos com orelhas de coelho e cookies caseiros, preparados com muito carinho. Pouco, perto de tanta dedicação. Isabela Chueri, uma das lobinhas que conseguiu um grande número de doações, contou seu segredo: "Coloquei bilhetinhos por baixo das portas dos meus vizinhos, e nos elevadores. Moro em um prédio de 12 andares, e muita gente resolveu contribuir. Toda hora tocava o interfone com alguém dizendo que tinha colocado os bombons na minha porta", entregou.

Pedro Máximo, também um dos mais animados com a proposta, disse que a estratégia foi mandar mensagens para amigos, parentes e vizinhos, e a cada nova doação recebida, um bilhetinho de agradecimento. Pedro Caxias Nunes também recorreu aos vizinhos e conseguiu arrecadar uma grande quantidade de caixas de bombom. Cada um usou sua imaginação para fazer o bem.

A presidente da Associação de Moradores da Comunidade Indiana, Maria do Socorro da Silva Oliveira, lembra que o grupo escoteiro já faz projetos sociais com eles há alguns anos. O sorriso dela, ao buscar os bombons dizia tudo: "Estou muito feliz! Nenhuma criança vai ficar sem seu chocolate nesta Páscoa, que já está acontecendo em dias tão difíceis".

"Nós não esperávamos um sucesso tão grande! Foi tanta caixa de bombom que acabamos entrando em contato com um dos integrantes da Associação de Moradores do Morro dos Macacos, o Manego Silva Júnior, com quem já tínhamos feito uma ação anterior. Ele ficou eufórico com a minha ligação e disse que as crianças de lá certamente não teriam uma Páscoa doce este ano, mas que com a nossa ajuda, tudo mudou. Foi emocionante", conclui Gabriel de França, chefe da Alcateia.